Resenha: A Playlist de Hayden – Michelle Falkoff


Isto é o que Sam sabe:
Houve uma festa.
Houve uma briga.
Na manhã seguinte, o melhor amigo de Sam, Hayden, estava morto. Tudo o que ele deixou para Sam foi uma playlist – e um bilhete.
O que Sam não sabe é:
Por quê?

Depois da morte de seu amigo, Sam parece um fantasma vagando pelos corredores da escola, o que não é muito diferente de antes. Ele sabe que tem que aceitar o que Hayden fez, mas se culpa pelo que aconteceu e não consegue mudar o que sente Enquanto ouve música por música da lista deixada por Hayden, Sam tenta descobrir o que exatamente aconteceu naquela noite. E, quanto mais ele ouve e reflete sobre o passado, mais segredos descobre sobre seu amigo e sobre a vida que ele levava. A PLAYLIST DE HAYDEN é uma história inquietante sobre perda, raiva, superação e bullying. Acima de tudo, sobre encontrar esperança quando essa parte parece ser a mais difícil.

A Playlist de Hayden (título original: Playlist for the dead), escrito pela autora Michelle Falkoff, lançado no Brasil pela Editora Novo Conceito em maio, aborda várias polêmicas, dentre elas algumas situações do quotidiano adolescente, cujo poder de destruição pode estar além da simples premissa ação e reação. Bullying, solidão, suicídio e vários outros assuntos estão inseridos no contexto, entrelaçados de forma assustadoramente real.

Hayden e Sam eram melhores (e únicos) amigos há muito tempo. Com o fim da adolescência se aproximando e suas vidas solitárias em contraste, os garotos passavam por uma fase difícil, até então, quase normal. A companhia de um e outro já não era suficiente e lidar com os desafios naturais dessa fase foi ficando mais e mais difícil. Sam nunca pensou que fosse um grande problema, mas Hayden parece ter chegado ao fundo do poço. É por isso que a morte de Hayden acaba se tornando ainda mais complicada para Sam, que jamais imaginou que o amigo estivesse tão mal a ponto de partir da noite para o dia, por pior que as coisas parecessem. Afinal, a vida do garoto já não era mesmo muito feliz, mas ele parecia lidar com isso com tanta tranquilidade… mas Hayden lhe deixou algo: uma playlist com um simples bilhete: “Ouça. Você vai entender.” E é aí que Sam embarca em uma jornada triste e ainda mais solitária para desvendar Hayden.

Sentir raiva só reiniciava o ciclo, um ciclo que já se tornava familiar. Ficar com raiva. Culpar Hayden. Sentir culpa. Ficar com saudade do meu amigo. Sentir raiva de novo.”

A história é narrada em primeira pessoa, sob o ponto de vista de Sam. Ele está sofrendo muito pela perda do melhor e único amigo e, portanto, a narrativa contém muita dor, tristeza e confusão. Sam não faz a menor ideia do que levou Hayden a se perder de vez, mas sabe exatamente por onde começar. Hayden não tinha uma vida familiar feliz, não demonstrava insatisfação com as coisas, mas olhando bem, deixou algumas pistas do que estava acontecendo. O problema é que Sam é o único preocupado em resolver o mistério (nem tão misterioso assim) acerca da morte de Hayden, mas vai contar com uma ajuda bem inesperada no caminho. Talvez Hayden não estivesse tão sozinho assim…

Como toda história que aborda esse tipo de drama, A Playlist de Hayden promete uma trama triste e sem grandes expectativas, afinal um dos personagens já estava morto. Eu já tive a oportunidade de ler alguns dramas com temática parecida neste ano, mas como em todos os outros, a história consegue seguir uma linha própria, com uma abordagem única e igualmente sentimental. Aqui, não temos uma história feliz, já que sabemos desde o início que um dos personagens se foi, mas conseguimos vivenciar a percepção de Sam a respeito da situação, sentir a raiva que ele sente, odiar quem ele odeia e lembrar do que ele se recorda. É uma jornada triste, mas essencial para quem fica, e Sam sabe disso. Alguns personagens vão surgindo ao longo das páginas, a maioria com histórias complicadas também, embora distintas, e talvez o que houve com Hayden não tenha sido a única consequência de toda a loucura promovida pelo bullying, em todas as suas formas… A culpa é um fardo ainda maior quando não se pode voltar atrás e para parte dos personagens do livro, isso é tudo o que se tem.

Não preciso dizer o quanto capa e diagramação são perfeitas. A capa tem o tom exato da tristeza e da solidão, em cores e ideias, algo que me encantou desde o início. Para os amantes de música, como o próprio título do livro sugere, há uma playlist e cada capítulo traz para o leitor o título de uma faixa. Aconselho que preparem o app do celular, já que vocês vão querer ouvir também, mas caso a curiosidade seja maior do possibilidade de adquirir o livro imediatamente, fiquem de olho no post especial que estou preparando com as músicas da playlist (ou você pode ir no link do bilhete ao lado, onde um site bem especial te espera).
Quanto ao livro… leia. Você vai entender.

Foi ele quem deixou todos nós ali, tentando descobrir o que havia acontecido, impossibilitados de falar que sentíamos muito, para fazer a coisa certa.”


16 comentários:

  1. Eu queroo muuuito ler esse livro!
    Quando a editora liberou o livro para os blogs fazerem resenhas, só vi elogios à estória.
    Achei a ideia do autor genial e não vejo a hora pra ler!

    O Outro Lado da Raposa

    ResponderExcluir
  2. Eu ja queria muito conhecer esse livro quando teve os lançamentos da Editora. Achei a capa linda com esses fones ligando os personagens e a estória em si já tinha me deixado curiosa.
    Livro com trilha sonora é algo que eu não tinha experimentado ainda, então para mim foi uma mega novidade.
    Suicídio é um tema tão delicado ne?! Espero mesmo que o autor tenha encontrado uma forma de passar para o leitor sem chocá-lo.
    Ainda vou ler, mas esse livro é um dos que mais quero com certeza!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né? Mas então, a ideia inova e atrai ainda mais, e ainda dá uma certa leveza...

      Excluir
  3. Estou louca para ler, que é exatamente o tipo de drama que me atrai. Gosto de livros que tratam temas como bullying, etc; sobretudo das reflexões que esse tipo de história traz. A capa é realmente perfeita. Foi o que me chamou a atenção e me deixou interessada em primeiro lugar.

    Blog | Paixonites Literárias Xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aham! é bem reflexiva mesmo, sem dúvida :)

      Excluir
  4. Oiii flor, sempre vejo comentarios positivos com relação a esse livro. Acredito que o mesmo deve ser bom. Acho que o diferencial dele deve ser a playlist né? Pois é através dele que o Sam vai descobrindo o porque que o Hayden cometeu suicidio.

    beijos
    http://ventoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oie Camilla =)

    Venho lendo resenhas bem divergentes em relação a esse livro, e confesso que pelo fato de já ter lido muitos livros com uma temática "pesada" esse ano venho dando preferencia a livros mais leves.
    No momento não tenho o interesse de conhecer essa história, mas quem sabe no futuro.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo :)
      o melhor é que é uma leitura que você pode fazer em outro momento e se deixar levar sem ser por estar vendo por todo lado :)

      Excluir
  6. Olá,
    Qualquer coisa que envolva música me deixa curiosa, por isso eu quero muito ler esse livro e saber um pouco mais dessa história, apesar de já ter lido resenhas bem desanimadoras. Mas vou seguir a sua recomendação e vou ler a obra.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, leia sim. Gosto é gosto, mas você só precisa saber que o livro é um tanto triste, mais sobre descoberta do que sobre ação...

      Excluir
  7. Oi, Camilla!
    Estou com esse livro aqui só esperando um tempinho extra para iniciar sua leitura.
    Li os primeiro capítulos e gostei bastante. A narrativa é carregada de muita dor mesmo.
    Estou curiosa para saber o real motivo de Hayden ter se suicidado.
    Adorei a resenha.

    Beijos

    www.construindoestante.com || Curta a fanpage

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ne? É isso mesmo, só lendo pra entender... :)

      Excluir
  8. Oi Camilla!
    Ainda não li nenhum livro com essa temática, mas tenho muita vontade (principalmente de A Lista Negra).
    A Playlist de Hayden me chamou a atenção logo de cara, e a cada resenha positiva que leio eu fico com mais vontade de adicioná-lo à lista de leituras. Adorei o post!
    Beijos,

    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, to me preparando psicologicamente para a lista negra há meses, rs. Acho que o de Hayden é um pouco mais leve, viu?

      Excluir

Gostou do post? Por que não faz um comentário e deixa uma blogueira feliz? :)