Resenha: A Bandeja – Despertar #1 – Lycia Barros


Aos 18 anos, Angelina está prestes a viver o maior desafio de sua vida até agora: sair de Petrópolis para estudar no Rio de Janeiro, deixando para trás os cuidados e a proteção de seus pais. Assim que se instala na república de estudantes e começa a assistir às aulas, a jovem percebe que as dificuldades serão muitas. Ela divide um quarto com uma colega desorganizada, frequentadora assídua de festas e chopadas e que vive cercada de más companhias. Além disso, as condições das instalações da faculdade são precárias, e grande parte dos professores, descomprometida. Angelina já está desanimando de sua nova vida quando esbarra no lindo Alderico ou Rico , um cara capaz de fazer qualquer garota perder o fôlego. O que ela não poderia imaginar era que Rico, seu professor de linguística, se interessaria por ela também. Deslumbrada com a descoberta da paixão e certa de que Rico é seu grande amor, Angelina se joga de cabeça nessa relação, ignorando todos os conselhos que recebera dos pais a vida toda. Ao mesmo tempo começa a ter sonhos que não consegue entender: homens lhe oferecem objetos numa bandeja e, logo depois que ela os aceita, eles se transformam em feras e somem numa floresta. Primeiro volume da série Despertar, A bandeja é um romance arrebatador, que retrata os dramas e as provações pelos quais qualquer jovem passa quando se afasta de sua essência até trilhar de volta o caminho do amor verdadeiro e de Deus.

A Bandeja é um romance cristão, escrito pela autora nacional Lycia Barros, relançado em 2014 pela Editora Arqueiro.

Angelina acaba de entrar para a faculdade, deixando o lar cristão dos pais, a cidade e tudo o que ela achava saber da vida para trás. Não completamente, claro. Viver em uma república de um grande campus universitário do Rio de Janeiro, dividindo um quarto com uma garota de amizades duvidosas, sem ter com quem contar por perto, é só uma parte do novíssimo mundo apresentado à Angelina. Ela sempre foi uma boa garota, obediente, cheia de fé e firme em suas convicções, tudo isto em um mundo cheio de lobos. O problema é que mesmo preparada para tudo, o que ela menos espera acontece, levando-a a desenvolver novas opiniões e portar atitudes muito diferentes do seu usual. Rico não é só seu professor, mas seu primeiro amor, algo que ela jamais sonhara encontrar naquela jornada. O que era para ser lindo, puro e cheio de emoção, acaba sendo também motivo de pesadelos e, pior, um desvio de sua missão no Rio: estudar. Logo, Angelina se encontra confusa e distante de si mesma o suficiente para esquecer parte de sua essência. Não há tempo para nada que não se refira a Rico, nem mesmo para a Bíblia, sua mais antiga e querida companheira.

Acho incrível que as pessoas que menos querem parecer com os pais são as que ficam mais semelhantes a eles.”

O que falar de um livro que eu desejava ler há bastante tempo, mas que só agora tive a oportunidade? Embora não seja tão praticante no quesito religião, gosto muito de conhecer/ler romances cristãos. Por alguma razão, eles acabam sendo exatamente o que mais aprecio nos assuntos da Fé: inspiradores. A Bandeja não é diferente. Ao contrário do que muitos possam pensar, a história não é uma forma de impor uma religião e seus preceitos, já que estes servem de pano de fundo para uma trama bem mais profunda e inteiramente ligada às atitudes normais de qualquer pessoa, seja qual for sua crença. Angelina é uma garota como outra qualquer, criada em uma família cristã como a maioria, com alguns princípios inabaláveis e outras concepções advindas da experiência. Embora acabe vivenciando alguns contratempos em relação às suas crenças, a personagem sabe que é a única culpada por cada atitude ou desatenção, de forma a não usar desculpas para seu comportamento e, menos ainda, lidar com ideias moralistas. Alguns personagens, por exemplo, ainda que Angelina os veja como algo próximo a vilões em dado momento, no fim das contas acabam sempre se mostrando humanos e passíveis de erros escusáveis.

“– Como eu estava dizendo, Deus abomina o pecado, mas ama o pecador. Jesus é amor, e esse sentimento é a sua essência. É importante que vocês entendam que não há nada que vocês possam fazer para que Deus os ame menos ou mais.”

O livro é narrado pela própria Angelina, que aliás não é a típica personagem chatinha. Ela até que é bem madura para idade, exceto quando o assunto é romance. Neste caso, a novidade é tamanha que ela nem mesmo sabe diferenciar amor e atração. A narrativa é mais lenta no início, mas as coisas ficam mais emocionantes conforme os problemas vão surgindo. Alguns personagens secundários conseguem ser muito interessantes, como a colega de quarto bagunceira, Michele, e Dante, um amigo de infância que mais parece um anjo de tão perfeito. Rico também tem uma história marcante, o que explica toda a bagagem emocional que ele traz e transfere para Angelina, de certa forma. Eu não consegui odiar nenhum deles, em momento algum, mesmo quando as coisas estavam de mal a pior.
Basicamente, encontrei em A Bandeja um romance maravilhoso, uma história de crescimento/maturidade, um apelo à verdadeira amizade e, claro, boas palavras a respeito do significado de Deus. A edição da Arqueiro é bem básica e agradável, como de costume. Apesar de ser o livro 1 da série Despertar, o livro 2, lançado por outra editora (não sei se a Arqueiro pretende publicá-lo, mas bem que poderia), conta a história de outro personagem, o que não deixa de ser uma continuação com enfoque em outra pessoa. Existe ainda um terceiro livro, também sequência de outro personagem, em edição de colecionador (não vou citar os títulos para não correr o risco de dar spoiler, pois sim, as sinopses revelam muito de A Bandeja).

“– Quando tudo isso acabar, vamos continuar de onde paramos.
Eu queria beijá-lo ali mesmo, mas o nosso primeiro beijo tinha que ser especial, não corrido, por isso me contive.”

16 comentários:

  1. Fico feliz que a autora não tente impor preceitos religiosos através do livro, pois isso afastaria muitos leitores, inclusive eu. É bem melhor quando a religiosidade serve apenas de plano de fundo, agregando assim valor ao enredo.
    Apesar de não ser meu estilo de leitura, sua resenha me fez considerar a possibilidade de ler a obra.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de junho. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, também gosto quando a ideia está lá, o personagem tem sua característica, mas não precisamos mergulhar em preceitos religiosos para compreender o tema :)

      Excluir
  2. Oi Camilla,
    Acho que sua resenha foi a primeira que li sobre esse livro e gostei bastante.
    Gosto dos romance envolvendo a temática pois, sempre passam uma mensagem bacana.

    Bem que a editora poderia relançar o segundo também.

    Ótima resenha e blog! Estou seguindo aqui :D

    bjs e tenha uma ótima quinta!
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Arqueiro não vai lançar :(
      o resto da série foi lançado por outra editora e está à venda no site da Lycia. Não vejo a hora de comprar :)

      Excluir
  3. Legal a sua resenha, não conhece nenhum livro com romance cristão.
    Muito bom saber que a Angelina não é a típica personagem chatinha, mas afinal quem é madura para romances ne?! Hehehe...é so a gente gostar de alguém que ficamos bobos, acho que na literatura e na vida real! =)
    Gosto muito de histórias de crescimento/maturidade dos personagens, me sinto crescendo junto com ele, e quando tem essa amizade forte acho lindo.
    Gostei da sua indicação, acho que leria sem problemas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se ficamos, haha!
      A história é uma delícia mesmo :*

      Excluir
  4. Oie Camilla =)

    Li a esse livro faz tempo e gostei muito da escrita da autora.
    A história é bem fluida e os personagens mais maduros quando comparado aos que encontramos em outros livros para jovens.
    Espero dar continuidade na serie.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  5. A simplicidade dessa capa tinha chamado minha atenção já faz um tempo
    porém ainda não li a obra,mas pretendo fazer isso em breve

    Mil beijocas
    ⋙ ♥ Blog Livros com café
    Está rolando dois sorteios lá no blog participe ;)

    ResponderExcluir
  6. Oi, Já li apenas 1 romance cristão, chamado "A Negociadora" e a experiência foi muito boa. Lendo sua resenha deu vontade de ler esse aí também.
    Abç,
    Boo Nina
    www.rascunhocomcafe.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal, não conhecia esse, vou procurar :)

      Excluir
  7. Entrevistei a Lycia há um tempo e achei ela muito gente boa, sem contar na quantidade de livros que já escreveu!
    Ainda não pude ler nenhum, mas a vontade é bem grande. Ela acabou de lançar outro que estou de olho!!

    O Outro Lado da Raposa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Tb conhecia ela das redes, mas só agora consegui ler um livro e já aprovo :)

      Excluir
  8. Oi!
    Apesar de ter visto muita gente falando bem confesso que não me animei muito em ler :/, enfim, gostei da resenha!.
    Abraço,
    Leitura Fora De Série

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, quem curte romance certamente vai gostar, já quem não gosta realmente não indico :)

      Excluir

Gostou do post? Por que não faz um comentário e deixa uma blogueira feliz? :)